sábado, 9 de novembro de 2013

Alguns conceitos que mudaram minha vida há uns anos

(...) Em nosso ambiente ainda somos vítima de certos conceitos antiquados em relação à pedagogia. Por exemplo, de que para ensinar bem não é preciso ser músico. Justamente, uma das maiores diferenças entre a pedagogia antiga e a moderna é a capacidade ativa e sensação de poder que o professor tem diante da música. Professor não é quem não teve condições de lidar de outra maneira com a música, mas sim aquele que ensina ativamente, na prática, como se fazem as coisas. (...) págs 53 e 54.

(...) é preciso reconhecer que o domínio da matéria musical não basta, se não está unido ao interesse, ao entusiasmo e à convicção da utilidade daquilo que está sendo transmitido. Isso é o que conforma o espírito pedagógico. (...) pág 94.

(...) Educar-se na música é crescer plenamente e com alegria. Desenvolver sem dar alegria não é suficiente. Dar alegria sem desenvolver tampouco é educar. (...) pág 95.

(...) Murray Schaffer, compositor e pedagogo canadense, um dos principais artífices das novas tendencias pedagógicas, diz: "O melhor que um professor pode fazer é despertar a idéia de um tema na mente de seus alunos, de modo que se possa desenvolve-lo. Trata-se de fazer com que o descobrimento entusiasta da música preceda a habilidade para tocar o instrumento ou ler as notas, sabendo-se que o momento oportuno para introduzir esses exercícios é quando a própria criança [o próprio aluno] os pede. Freqüentemente o ensino responde a perguntas que ninguém faz." (...) pág 105.

GAINZA, Violeta Hemsy de. Estudos de Psicopedagogia Musical. SãoPaulo : Summus Editorial, 1988.